domingo, 27 de março de 2011

Ceilândia ou porque não visitei a Europa

Se alguém me ouve daí donde do caixa-prego, próximo ao arroio chuí, perto da mata de igapó, pregado ali no mangue odoroso, pertinho das extensas plantações de soja, beirando o Plano Piloto, então ouça-me: a Ceilândia pulsa.
O Louvre é importante, mas ainda mais importante é a caixa d'água de lá. Hollywood é chique, mas a galera do CeiCine pode grande.
Ceilândia existe, mané.

Um comentário:

... disse...

Vou zoar esse Louver maldito!
Ceilândia é nóisfff!! Se liga!!